Relembre como foi o Mundial de Balonismo no Brasil

0
1417

Com 60 equipes de 22 países inscritas, o Campeonato Mundial de Balonismo fez pilotos do Japão, Alemanha e Brasil comemorarem os 1º, 2º e 3º lugares, respectivamente no mundial de 2014 no Brasil. O último dia de provas aconteceu no sábado, 26 de julho e o domingo foi reservado para os voos fiesta (fora da competição) para deixar ao público a lembrança da primeira edição do mundial na América Latina, que atraiu 60 mil pessoas.

“Foi um orgulho para o Brasil realizar uma competição tão bonita e atrativa para Rio Claro, para o esporte mundial e especialmente para a juventude, que aprecia e gosta de praticar esportes de aventura em suas diversas modalidades. Foi também gratificante ver famílias inteiras participando do campeonato. Nosso interesse é que essa prática se amplie no país, e o campeonato Mundial deverá repercutir por muitos anos, a ponto de contribuir com esse crescimento”, disse na época o secretário nacional de Esporte de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, Ricardo Leyser, que participou da cerimônia de abertura e visitou o aeródromo da cidade onde estavam ocorrendo as provas.

O Campeonato Mundial de Balonismo acontece a cada dois anos, em etapa única, desde 1973. A 21ª edição teve um total de 23 provas e nove vôos durante sete dias de disputas. Com mais de mil pontos à frente do segundo colocado, o japonês Yudai Fujita conquistou o título de campeão mundial. O segundo lugar foi do alemão Uwe Schneider e o goiano Lupércio Lima levou o bronze.

“O sucesso do campeonato em Rio Claro deverá ampliar o público deste esporte no Brasil e fazer surgir novos competidores”, avaliou Edson Romagnoli, ex-presidente da Confederação Brasileira de Balonismo. O Mundial no território brasileiro recebeu financiamento de R$ 1,5 milhão do Ministério do Esporte, por meio de convênio com a Prefeitura de Rio Claro, que garantiu R$ 31 mil como contrapartida.

Saga, Japão

A edição anterior do Campeonato Brasileiro de Balonismo aconteceu na cidade de Battle Krick, no estado americano de Michigan. A próxima competição será em Saga, no Japão, e o prefeito da cidade japonesa, Toshiyuki Hideshima, anunciou na época que pretendia colher informações em Rio Claro para aproveitar algumas experiências do Brasil na organização do Mundial. Saga é considerada o centro do balonismo na Ásia e já sediou o mundial de balonismo em duas outras oportunidades, em 1989 e 1997.

Classificação final do 21º Campeonato Mundial de Balonismo (da lista inicial de 60 inscritos, dois pilotos não completaram as provas):

1º. Yudai Fujita (Japão) – 17.443 pontos

2º. Uwe Schneider (Alemanha) – 16.216

3º. Lupércio de Lima (Brasil) – 16.064

4º. Stefan Zeberli (Suíça) – 15.867

5º. Rimas Kostiuskevicius (Lituânia) – 15.173

6º. Gerald Stuerzlinger (Austrália) – 15.130

7º. Artem Denisenko (Rússia) – 15.096

8º. Joe Heartsill (Estados Unidos) – 15.092

9º. Rokas Kostiuskevicius (Lituânia) – 15.002

10º. Rhett Heartsill (Estados Unidos) – 14.717

11º. Marc Blaser (Suíça) – 14.587

12º. Andy Baird (Estados Unidos) – 14.584

13º. Paul Petrehn (Estados Unidos) – 14.548

14º. Sergey Latypov (Rússia) – 14.508

15º. Nico Betzen (Luxemburgo) – 14.066

16º. Tod Isley (Estados Unidos) – 13.993

17º. Fábio Passos (Brasil) – 13.845

18º. Nicolas Schwartz (França) – 13.578

19º. Alexander Dultsev (Rússia) – 13.439

20º. Jose-Maria Llado (Espanha) – 13.432

21º. Xiang Liu (China) – 13.314

22º. Johnny Petrehn (Estados Unidos) – 13.272

23º. Luis Silvestre (Brasil) – 13.080

24º. Tetsuhiro Sue (Japão) – 12.831

25º. David Hochreutener (Suíça) – 12.692

26º. Harold Cliver (Estados Unidos) – 12.435

27º. Werner Schrank (Austrália) – 12.305

28º. Henk Broeders (Holanda) – 12.223

29º. David Strasmmann (Alemanha) – 12.164

30º. Markus Kalousdian (Brasil) – 12.118

31º. Satoshi Ueda (Japão) – 11.989

32º. Brandon Heavin (Estados Unidos) – 11.873

33º. Roman Hugi (Suíça) – 11.771

34º. Rubens Kalousdian (Brasil) – 11.718

35º. Thomas Siebel (Alemanha) – 11.676

36º. Yoshimi Kodama (Japão) – 11.613

37º. Andreas Simoner (Austrália) – 11.327

38º. Bazyli Dawidziuk (Polônia) – 11.088

39º. Andrew Holly (Inglaterra) – 11.056

40º. Bartosz Nowakowski (Polônia) – 10.786

41º. Amarildo Tozzi (Brasil) – 10.718

42º. Jean-Philippe Odouard (França) – 10.579

43º. Andrey Kulkov (Rússia) – 10.571

44º. Mark Sullivan (Estados Unidos) – 10.186

45º. Gary Heavin (Estados Unidos) – 10.075

46º. Andrew Petrhen (Estados Unidos) – 9.758

47º. Yongjun Li (China) – 9.668

48º. Michael Suchy (República Tcheca) – 9.531

49º. Marcos da Silva (Brasil) – 9.263

50º. Tomasz Filus (Polônia) – 9.131

51º. David Linek (República Tcheca) – 9.114

52º. Jason Adams (Canadá) – 8.375

53º. Nobuaki Tsujii (Japão) – 8.277

54º. Ralph Fasler (Suíça) – 7.877

55º. Odin Aragon (México) – 7.052

56º. David Maggregor (Rússia) – 6.568

57º. Guido Montemurro (Itália) – 5.225

58º. Javier Barozza (Argentina) – 3.970 pontos

A cobertura especial do 22º Campeonato Mundial de Balonismo do Blog Balonismo tem o apoio da Facillite Consultoria Ambiental, RVB Balões e Infláveis e da Escola Brasileira de Balonismo. Entre em contato conosco e faça parte deste grande time.

Comentários

comentários