Durante as 30 edições já realizadas do Festival Internacional de Balonismo de Torres,  apenas uma mulher se saiu como vencedora do evento. Foi em 2006, quando a paulista Gabriela Slavec quebrou a hegemonia do então penta campeão Sacha Haim. Foi um grande momento dentro da história do Festival, já que são pouquíssimas as mulheres que voam no Brasil. Pra se ter uma noção, para a edição 2019, deveremos ter apenas duas competidoras: Laís Pinho, de Torres, e Lou Marina, de Boituva/SP. Confira a seguir a crônica do site “Webventure” sobre o título da Gabriela em 2006.

“Pela primeira vez em 18 edições do Festival de Balonismo de Torres (RS), uma mulher sai vencedora. A paulista Gabriela Slavec foi campeã do torneio, um dos mais disputados da história, nesta segunda-feira. Até último voo, os primeiros sete pilotos tinham chances reais de vitória.

– Do primeiro até o sétimo colocado tinha uma diferença de 200 pontos, o que é praticamente um empate. O último voo que definiu o festival, com vento mudando várias vezes, contou a piloto. Na verdade eu me surpreendi. Fui bem nas duas modalidades da competição, revelou Slavec.

O Festival de Balonismo de Torres testou as habilidades de 30 pilotos em provas de Fly-in, na qual os balões decolam a dois quilômetros de distância e têm que jogar uma marca no solo o mais perto possível do alvo, e Caça à Raposa, quando um balão decola e os outros vão atrás, para jogar a marca o mais perto de onde ele pousar.

Estratégia – O último voo foi decisivo para a vitória de Gabriela. – Um bloco de balões saiu mais cedo e o vento mudou para leste, tirando eles do alvo. Outro bloco decolou bem mais tarde e o vento jogou eles mais para oeste do alvo, contou. – Eu decolei entre esses dois blocos e consegui ir no alvo certinho. Com certeza o horário e a decisão do local de decolagem decidiram, comemorou Slavec.

Gabriela e outros pilotos brasileiros usaram o Festival para treinar para o Campeonato Sul-americano de Balonismo, que acontecerá pela primeira vez no Brasil em junho na cidade de Rio Claro (SP).

– Esse campeonato foi um ótimo treino para todos, ainda mais com a presença de cinco argentinos, que provavelmente virão para o sul-americano, que deve contar ainda com pilotos da Venezuela, Bolívia e Uruguai, disse a piloto.

Gabriela Slavec ainda não tem patrocínio, nem apoio. Mais informações sobre ela podem ser encontradas no site www.balonismonoar.com.br.

O paulista Sacha Haim, pentacampeão do Festival de Torres, só conseguiu o quinto resultado nesta edição. Ele foi um dos que ficou de fora da zona de pontuação no último voo de segunda-feira.

– Antes do vôo decisivo estava em terceiro, bem próximo do primeiro colocado. Até pensei que conseguiria o título com uma certa facilidade. Mas na última prova os ventos variaram bastante. Houve grande dificuldade em entrar na zona de pontuação, o que não costuma acontecer, avaliou Haim. – Devo confessar que gostei mais das outras cinco edições, brincou.

Ele reconheceu a vitória da colega. – Felizmente a Gabriela foi uma das que conseguiram entrar na zona de pontuação e venceu. Fiquei muito feliz com a vitória dela, foi fantástica. Para mim ela é quase família, é afilhada da minha mãe, revelou Haim.

– A Gabriela se dedicou muito ao balonismo desde os 15 anos, ou menos. Começou como fiscal de competição, passou a ser chefe de fiscal e hoje é reconhecida mundialmente nos eventos e chamada para ajudar na fiscalização. Acredito que será uma grande piloto, que var dar trabalho, adiantou.”

A cobertura do Blog no 31° Festival Internacional de Balonismo tem o patrocínio da Construtora Monte Bello, Infinity Imobiliária Digital, Omega Balonismo, Air Show, Sosseg, RVB Balões e Infláveis, Balloon Pizzaria, Peretto & Irmão Material de Construção, RMS Telecom, Jung Balonismo e ART Malhas.

Comentários

comentários